sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Tem gente



Tem gente que tem sabor de fruta colhida no pé, sabe?

É como andar com os pés descalços  no gramado do pomar.
Cada sorriso é uma fruta fresca colhida e degustada alí mesmo.
Tem gente que é sombra fresca no balançar da rede, 

na varanda da casa na árvore.

É passarinho cantando forte, afinado, entoado, tipo: canto-oração.
Tem gente que faz carinho no coração da gente, 
feito vento na estrada, num passeio de motocicleta. 

Feito aperto de mão.

Tem gente que desperta sonhos na gente. 

Que vira poesia, vira canção.

Tem encontros que a vida não explica, 

mas o peito suplica quando reconhece um irmão.

Tem gente que com um sorriso-abraço-mensagem  levanta a gente, 

sem ao menos disso ter noção.

Tem gente que é gente na vida da gente,
ôh meu Pai... Gratidão!

Por: Aline Patricia



Passarinho


Moça, meu coração é ninho.
Você passarinho, pode pousar.
Meu corpo, árvore em campo aberto;
não te obriga, nem te amarra.
Não tenhas medo de olhar mais de perto.
Se olhar mais a fundo, vai entender.
O que vês por fora é pura ilusão.
Se chegar um pouco mais perto poderás ver.
Se somos todos "um todo",
Você é pedacinho de mim.
Eu... pedacinho de você!
Somos todos partes inteiras um do outro.
Que tal pagar para ver?
Voa um pouco mais alto, passarinho. Você vai me entender!
Posso ser a poesia que te completa
E você... A inspiração para o meu escrever.
Só lembrando, passarinho:
Que meu peito é ninho, eu não vou te prender.
Se meu corpo é árvore em campo aberto, pode voar quando quiser.
Mas se sentir vontade de voltar, será sempre um prazer te receber!
Voa pássaro, voa... Atrás de um novo canto.
Leva e trás o seu encanto a onde não posso voar.
Voa pássaro, voa... Vá conhecer o horizonte de outros campos,
Mas volte à este peito-ninho, sempre pronto, a te esperar!




Por: Aline Patricia

Cada dia, uma de mim.

Eu nunca fiz amor do mesmo jeito. Nunca amei do mesmo jeito também.

Em cada ato de um novo dia era uma eu, uma de mim que amava.

Eu nunca fui a mesma todos os dias; cada dia comigo um comigo de mim.

A prece de ontem não será a prece de hoje. Pois ontem antes da prece era um eu e 

depois... Um outro comigo melhor, um pouco comigo tão lindo de mim.

Ontem eu cantei Caetano: Sozinho. Foi bom.

Hoje acordei me perguntando: Quem de nós dois? É Ana!

Ontem eu li um verso pequeno que fiz; hoje acordei Pessoa, Caio F Abreu, Leminski... 

Comigo e os comigos de mim.

Minhas preces parecem descrever meus momentos.

Sou energia... E em movimento!

Por isso me permito ser esse pouco diferente à cada dia. Sinto assim na vida uma 

magia, de me redescobrir dia após dia. Do instante em que acordo até o anoitecer.

Já tentei ser uma mesma num conjunto de regras. 

Mas acredite, vi pouco a pouco o meu coração entristecer.

Sempre foi assim... Não consigo fazer diferente.

Ser igual pode até ser bacana para algumas pessoas, mas não para toda gente.

Não falo de bipolaridade. Isso é transtorno e é preciso tratar.

Estou falando de energia em movimento. Se te soltares feito pássaro ao vento, ela irá 

te transformar.

Eu sou assim. E precisei de muito para entender. 

Até mesmo a brisa que o entorpe causava, se apresentava diferente em cada 

anoitecer.

Tem dias que eu quero ver o sol se pôr. É lindo!

Noutros... Quero ver ele nascer.

Nunca fiz amor da mesma maneira. Acho isso pura preguiça de o outro corpo 

conhecer.

E como um prêmio pelo bom desempenho, descobri mais de mil formas em que se 

apresenta o prazer.

Ontem fiz preces com meu violão. Em cada acorde que vibrava, um carinho em mim, 

no outro, no todo.

Hoje acordei mais quietinha, precisando compreender alguns sentimentos. Minha 

prece? Meditação!

E para cada dia uma energia diferente, somos força em movimento. Por favor... Não 

estagna não!






Por: Aline Patricia