quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Terra e fogo - Poesia

Se a poesia não existisse, certamente eu a inventaria.

Não saberia descrever meus sonhos em notas rápidas e vagas,

Porque meu peito é tempestade e calmaria.
E por falar em sonhos...
Ah, o sonho!
Uma visita inesperada,
Com cenas doces e apimentadas,
Me tirou da cama cedo e cravou em minha face um semblante risonho.
O peito amanheceu estufado,
Implorando explodir poesia,
Enquanto a alma aguarda o momento da tua chegada,
Meu avesso, vento forte, teu sorriso,  calmaria.
Tu és terra, eu sou fogo...
Estou tentando entender.
Tu te encontras fácil, fácil...
E eu vivo a me perder.
Tu me aterras e eu te aqueço,
Temos muito a aprender.
Na poesia é assim,
Fica fácil explicar.
Cria dúvidas nos leitores,
E o peito poético a desabafar.
Vou contando as horas do meu dia,
Esperando à noite, em outro sonho te encontrar!

por: Aline Patricia








quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Borboleta eu quis ser

Andava distraída pelas ruas da cidade.

Curiosa, observava os hábitos daquele bairro que pouco conheço,

Novidades!

O vento tocava forte meu rosto.

Em minha motocicleta eu quase flutuava.

Hora alongando os braços, hora o pescoço.

O ar ali me pareceu diferente.

O bairro é dos mais antigos,

Muitas árvores nas calçadas e também, muita gente.

O semáforo fechou, tive mais tempo para observar,

E olha que surpresa:

Do meu lado direito uma borboleta amarela a dançar!

E dançando atravessou a rua,

Foi à praça passear.

Encontrou outra borboleta, e juntas se puseram a brincar.

O sinal abriu, fechou... E eu parada no mesmo lugar.

Na alegria daquela dança, esqueci o meu caminho.

Desejei ser um pouco borboleta,

Que dança alegre quando em grupo, tal qual dança sozinho.

O semáforo abriu novamente,

O tempo passou sem que eu pudesse perceber.

Fui embora sorrindo, toda contente,

Borboletas mexem com as emoções da gente,


Borboleta eu quis ser!


















Por: Aline Patricia

Deixe esfriar

Deixe a paixão esfriar para ver se é amor.

Deixe o fogo abrasar para ver se permanece o calor.

A paixão é traiçoeira, encantadora, trapaceira...

Cria castelo de areia à beira mar .

É um perigo!

Falo das ondas fortes,

Castelos vulneráveis ficam fáceis se desmantelar.

Deixe aceso,

Espere mais um pouco,

Não custa nada tentar.

Com um pouco de paciência, fica mais fácil constatar.

Fogo alto, brasa forte,

Vira a noite e invade o dia.

E se acaso permanecer acesa, pode ir firme,


É amor e não fantasia!




















Por: Aline Patricia

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Conversando com um beija flor

Beija flor

Beija a flor,

Vai saindo...

Indo embora.


Beija flor,

Com sua cor,

Meu olhar revigora.


Beija flor,

Meu amor

Me ignora.


Beija a flor nela,

Invada sua casa

Pela janela.

Beija ela por mim.


Beija a flor de luz incandescente,

Diga que sou carente

E que é só dizer que sim.


Beija-flor

Traga dela uma semente

Que aqui tem solo fértil,

Vou plantar no meu jardim.


Beija a flor e entregue meu poema,

E se acaso ela sorrir,

Traga-a logo para mim.

Beija-flor!


















Por: Aline Patricia