sábado, 30 de novembro de 2013

Quando a dor se torna amor

Eu poderia agora estar chorando de dor. 
Este direito me foi concedido! 
Considerando que deitar e levantar da cama tem sido algo semelhante a um ensaio fotográfico. Uma maratona de pequenos movimentos nada sensuais, porém, minuciosamente variáveis. 
O passeio até a cozinha me permite contemplar cada detalhe da paisagem do percurso... 
Talvez, seja esta a necessidade da minha alma. Reconhecer os detalhes que a pressa escondeu por muito tempo. 
Confesso que a essa altura do campeonato, no meio do banho, ter que gritar: 
_Mãaaaae, pega o sabonete aqui para mim. Escorregou da minha mão... 
Porque não dei conta de abaixar para pega-lo, é um tanto quanto doloroso para meu orgulho de "gente grande" e independente. 
Mas ver aqueles olhinhos cheios de preocupação e amor vindo me socorrer, não tem preço! 
Há dores que revelam amores! 
Hoje chorei um choro novo. 
Um choro de gratidão! 
As pancadas da vida, muitas vezes, criam cascas de autodefesa em nós. 
Em mim! 
Ignorantemente, passamos a nos proteger de tudo e de todos. Inclusive das pequenas delicadezas que nos cercam. Fragmentos de amor. 
Às vezes necessitamos de uma pancada na carne para quebrar a casca que se formou. 
Necessitei! 
E chorei! 
Porque doeu! 
Doeu ver o quanto se perde em amor, dia a dia. 
A dor na carne ameniza quando a metade de mim, em doação de genes e literalmente, em massa corporal, se desdobra em força e amor para me ajudar a levantar, amenizando ainda mais a minha dor. 
Aquela figura irmã, que o Cosmos me deu, entrando pela porta do hospital após interpretar uma mensagem de texto escrita em um idioma ainda desconhecido, me fez olhar para dentro. 
Dentro de mim. Dentro do meu lar! 
E como descrever a sensação de ver os olhos ansiosos que esperavam no portão de casa o longo percurso do pequeno corredor, e vê-los brilharem por me verem inteira? 
Hoje eu chorei um choro novo. Choro de gratidão! 
Choro de reflexão... 
Choro de quem absorveu todo carinho e cuidados manifestados em diversas e admiráveis formas. 
Hoje eu chorei no espetáculo da dor, que abriu as cortinas para a apresentação da peça chamada: 
Amor!




por: Aline Patricia

2 comentários:

  1. Nem preciso dizer que me emocionei, neh? Vc viu. rs.
    Como eu te disse ontem, minha amiga: acredito que quando coisas ruins acontecem, é para que sejamos poupados de coisas piores.
    Além disso, aprendi com a vida (e sou constantemente lembrada disso pelo meu papai) que tudo nessa vida tem a sua razão de ser! Seja para trazer experiência, ensinamento ou, como na maioria dos casos tem por consequência, seja para trazer amor!
    Estou extremamente feliz em ler mais um texto lindo seu, e eu espero que seja apenas o primeiro sopro de uma sequência dada pela inspiração, essa criatura voadora que às vezes voa longe de nós!
    Bjo grande e... tamo junto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olhaaa, aquela figura irmã, que o Cosmos me deu!!!! rs
      É bem isso, minha little Capucho!
      Reclamei da falta de inspiração dias atrás e o "tiozinho" da kombi a trouxe de volta, de forma impactante! rs ( E que impacto! )
      Estas linhas escritas foi a forma que encontrei para agradecer todo carinho que recebi. Inclusive de sua parte.
      E sim, esta pancada teve seus propósitos!
      Ao contrário dos meus passos, minha mente se acelera em mil observações por segundo. Meu coração transborda em agradecimentos por não ter se enganado em amar os meus amáveis irmãos/amigos.
      Hoje eu chorei um choro novo!
      Obrigada Liazinha, por fazer parte do lado bonito dessa história.
      Mil bjs recheados de gratidão!

      Excluir