domingo, 26 de maio de 2013

Eu quero!




Eu quero a alegria de um riso incontido,
Desmedido e sem razão.
Eu quero a alegria de estar com meus amigos,
Falar de coisas tolas,  
Fazer melodias, extrapolar energias,
Tocar violão.
Eu quero a alegria da poesia que surge plena luz da lua
E despretensiosamente vira canção!
Eu quero a alegria de um beijo roubado,  
Em segundos, concedido e compartilhado,
Assentido num aperto de mãos.
Eu quero a alegria do inesperado que se espera, 

Da troca de olhares, da paquera.
Dos bons motivos para poetizar.
Eu quero a alegria do abraço sincero,
Dos olhares de ternura, dos cenários eternos.
E de tudo que faz o meu peito vibrar!
Eu quero a alegria que não se explica,
Que corre nas veias,  
Pulsa no peito e faz os olhos brilharem.
Eu quero a alegria que a alma suplica,  
Que a vida improvisa;
E que chega sem avisar.
Eu quero a alegria do lado,
Em cima, embaixo,  
De um modo que não dê pra eu escapar!

Por: Aline Patricia