sexta-feira, 19 de abril de 2013

Amor.



Que minha loucura seja sana,
E que minha sanidade seja louca.
Que sejam em doses.
Às vezes cavalares...
Às vezes, homeopáticas.
Mas que sejam... Sempre!
Seja um pouco a cada dia.
Que seja pouco...
E às vezes: Um pouco além da conta.
Que dê tempero às experiências a serem vividas.
E que me tragam sensações, emoções, reações...
Vívidas!
Que seja:                                                              
-Louco,
-Pouco,
-Excedente,
-Sano...
Maliciosamente puro.
Puramente malicioso...
Mas que seja um pouco de cada vez.
Ou tudo de uma só vez!
Mas que seja dia a dia... Todo dia!
Ou trinta dias num mês.
Que seja lúcido e inconsciente,
Responsável e inconseqüente.
E que se repita instintivamente...
Uma... Duas ou três!
Ontem... Hoje...
Amanhã,
Talvez!
Na carne: Quentura.
Na mente: loucura.
No peito: Ternura.
Na alma: Nudez!
No texto: contexto... Pretexto... Perplexo.
AMOR...
Lucidez!

                                                                                                                                             Por: Aline Patricia

3 comentários:

  1. Uau! Como vc consegue escrever esses textos lindos? Cada vez que leio um texto seu penso: - Agora acho que ela se superou! E daí vem o próximo e penso a mesma coisa, rs. Parabéns! Esse texto ficou simplesmente magnífico.

    ResponderExcluir
  2. Lindo texto, Line! Aliás, como sempre.
    Desejo tudo isso aí que vc escreveu e que vc nunca mais ignore os sussurros repentinos e inusitados da inspiração! ;D
    Bjo grande!

    ResponderExcluir
  3. Que orgulho minha linda poetisa....Lindo o texto....Lindo o seu coração!!!

    ResponderExcluir