quarta-feira, 3 de outubro de 2012

É a saudade




Alguma coisa grita aqui dentro.
Tento disfarçar, finjo não ouvir,
Tento abafar... Mas não consigo esconder.
Porque é em mim este barulho;
É a minha atenção que ele chama.
E de mim mesma não consigo desprender.
Sinto uma dor que aperta o peito,
Diferente de tudo o que já senti.                                          
Quero acreditar que é má postura.
Alinho-me...
Acomodo-me na cadeira;
Mas a dor insiste em doer,
O grito insiste em ecoar...
E eu?
_Confesso, já não sei o que fazer!
Incontáveis às vezes em que venho disfarçando com sorriso forjado,
Com lentes escuras e brilho maquiado, a inquietação que se instalou.
Mas é claro e evidente, quando meus olhos buscam em linhas perdidas,
Aquilo que o peito implora, aclama... Suplica!
Aumento o volume dos fones de ouvido, não custa nada tentar...
Mas é inútil minha tentativa,
Barulho interno é impossível abafar.
E ainda tem a dor no peito.
Já tentei remédios; não teve jeito.
Pra esse tipo de dor, remédios não surtem efeitos.
O melhor agora é me conformar.
Engolir o orgulho e a vaidade;
Admitir que é a saudade,
Que não pára de te chamar! 


Por: Aline Patricia

Um comentário:

  1. Lembranças são zumbidos na alma... E fazem enlouquecer!
    No meu caso, lembrança tem o mesmo sentido que saudade...
    Eu fico entre a cruz e a espada quando tais incomodações atingem minha alma!

    Felicidades... e saudades!

    ResponderExcluir