segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Maloqueira


Radiante como sol, lá vem ela toda faceira.
Vem caçando confusão, atraente maloqueira.
Seu sorriso envolvente, um olhar de encrenqueira,
Lá vem ela toda esnobe, é sua essência... Maloqueira!

Onde passa tudo pára, se mexer leva rasteira.
Assovios não encantam, muito embora maloqueira.
Chinélinhos arrastando, levantando a poeira.
Narizinho para o céu, metidinha maloqueira.

Do shortinho só o cós, vem descendo a ladeira.
Vai pro shopping se achando, é marrenta a maloqueira.
Tira onda de bacana, se fingindo estrangeira.
Tua cara não me engana; te conheço, maloqueira!


Monalisa é para os fracos, fica parada de bobeira.
Lá no samba a mais famosa é a danada maloqueira.
Tira onda à noite inteira, salto agulha e chapinha
Me perdoem as outras moças, a maloqueira ta na minha

A danada é toda brava, me prendeu numa coleira.
É bem feito para mim, me enrosquei com a maloqueira.
Mas quem manda aqui sou eu, foi um minuto de bobeira.
Falo grosso e ela chora, mas eu amo a maloqueira!


Por: Aline Patricia

2 comentários:

  1. Como não se sentir privilegiada por ser uma maloqueira, de uma poeta.Essa que sabe entender a alma mais complexa desde um autor auto de data a uma simples moça cheia de graça...Sua arte encanta.

    ResponderExcluir
  2. Aline! Como vc é talentosa!!! É uma delícia ler os seus textos.
    Parabéns!!! Bjoo.

    ResponderExcluir