domingo, 23 de outubro de 2011

É melhor que seja assim ( Quase um documentário )

Por que será que a gente treme sempre, quando descobre uma coisa que a primeira vista parece ser ruim?

O estômago embrulha, o peito aperta, a sensação de dormência toma conta da cabeça, a visão se torna turva, o coração acelera e as lembranças começam a passar pelos pensamentos como se fosse um filme desordenado. (sem edição).

Partindo para a primeira pessoa do singular (em tempo real):

Então olho para a xícara de café e a vejo vazia...

Providencio mais uma dose do líquido escuro, quente e amargo; que se assemelha a tudo o que estou sentindo neste exato instante.

Ascendo um cigarro...

E outro...

E outro...

E logo me vejo ascendendo um com a "bituca" do outro.

Em meio a tanta fumaça, respiro...

Inspiro...

Torno a respirar e em questão de minutos, noto que já não há mais espaço no cinzeiro.

E as descobertas continuam causando sensações inquietantes na carne.

Pausa para mais uma xícara de café...

...

...

Demorei mais do que o previsto. A garrafa estava vazia!

Mas enquanto a água fervia (junto com meus pensamentos), pude analisar alguns fatos.

Voltando ao tempo real:

Quem se atreve a arriscar suas economias no resultado de um campeonato de futebol, hoje em dia?

Ha menos que eu conhecesse alguém da cúpula organizadora (o que não é o caso), jamais apostaria minhas fichas em algo manipulado (desprovido de verdades), com resultados pré-estabelecidos.

Mas eu não estou falando de jogos, nem de economias.

O fator prevalecente neste momento refere-se a: vidas!

E eu não apostaria minha própria vida, felicidade, futuro e zelo pela verdade, em algo que se alicerça em mentiras.

Então... Vejo que todas essas sensações que meu corpo manifestou, é por conta da reorganização dos caminhos.

Que bom!

Posso sentir o peso esvaziando pela dorsal. Tomando rumo desconhecido.

E espero que desconhecido permaneça!

Enganam-se quem pensa ser prática a forma como estou analisando os fatos.

Pelo contrário!

Não é nada prático e é um tanto quanto doloroso. Pois a sensação de imbecilidade ainda ronda este recinto.

Mas, observando pelo lado de fora da situação, me ocorre uma máxima citada pelos sábios anônimos que encontramos nas estradas desta vida:

O que a mim não soma, falta não me fará!

A alma do poeta não implora a misericórdia dos leitores. Tão pouco defere despeito com as ciladas da vida.

Apenas faz disso, mais um bom motivo para escrever, e transcrever acontecimentos que o torna mais forte e sábio. Aprendendo a ver lucros, onde normalmente enxergaria em destaque os prejuízos.

O que é melhor; a verdade que dói ou a mentira que agrada?

Pensando em longo prazo, concluo que ambas causarão dor.

Uma vez que enxergo a mentira como uma bexiga cheia, submersa a água (podendo permanecer submersa por algum tempo, mas não para todo um sempre); eu fico com a verdade que dói.

E que doa o quanto antes. Para que não se perca tempo em redirecionar o foco.

Na lucidez que me toma,

Focando o que é melhor pra mim,

Pós um litro de café e uma carteira de cigarros, concluo que:

É melhor que seja assim.               









Por: Aline Patricia.

4 comentários:

  1. Nossa! To bobo linda! Q dom de tocar fundo e transcrever aquilo q sentimos vc tem. Com certeza isso vem de Deus! Eu também prefiro a Verdade que dói do que a mentira que engana, Visto que ambas nos farão sofrer é melhor q soframos logo e sigamos com a vida!
    Você realmente é muito fhoda! Amei cada palavra.. e realmente me indentifiquei com tudo.. Bjão. Saudades

    ResponderExcluir
  2. JéHh, seu lindo! Que delicia de carinho vc me faz, toda vez que comenta alguns dos meus posts.
    A sua verdade foi algo q a primeira vista me chamou mta atenção. Talvez pq temos isso em comum. E certamente, foi este o fato que te chamou a atenção à estas escritas. Obrigada por estar sempre por aqui. Sdd's gigantescas de vc, meu presentinho delicado dos céus. Bjo XGG pra ti.

    ResponderExcluir
  3. Li e reli este seu post, minha querida, um bocado de vezes! Quis desvendar cada mistério que vc deixou (e eu sei que deixou!) nas entrelinhas deste seu texto. Como sempre, amei sua escrita, e tb me identifiquei, de certa ou diferente forma, com suas palavras. Deixo então as entrelinhas a quem pertença e quem sabe, em breve, falaremos sobre elas regadas a licenças poéticas, han?! ;D
    Maravilhoso texto minha amiga!! Parabéns e obrigada por partilhar de seu dom conosco!
    Grande beijo, com sdds.

    ResponderExcluir
  4. Ahhh, minha sempre querida Liah... Sabe o q eu mais admiro em vc? (além de toda beleza q carregas, é claro!)
    Sua inteligencia!
    Vc vê além do q os olhos podem mostrar. Chamaria isso de: conexão poética.
    De fato, falaremos sim. E mto em breve.
    Obrigada por me dar a certeza de q algumas coisas ainda valem a pena.
    Vc ja esta vindo? rsrsrs Sdd, minha linda. Big bjo e toda a minha gratidão.

    ResponderExcluir