domingo, 23 de outubro de 2011

É melhor que seja assim ( Quase um documentário )

Por que será que a gente treme sempre, quando descobre uma coisa que a primeira vista parece ser ruim?

O estômago embrulha, o peito aperta, a sensação de dormência toma conta da cabeça, a visão se torna turva, o coração acelera e as lembranças começam a passar pelos pensamentos como se fosse um filme desordenado. (sem edição).

Partindo para a primeira pessoa do singular (em tempo real):

Então olho para a xícara de café e a vejo vazia...

Providencio mais uma dose do líquido escuro, quente e amargo; que se assemelha a tudo o que estou sentindo neste exato instante.

Ascendo um cigarro...

E outro...

E outro...

E logo me vejo ascendendo um com a "bituca" do outro.

Em meio a tanta fumaça, respiro...

Inspiro...

Torno a respirar e em questão de minutos, noto que já não há mais espaço no cinzeiro.

E as descobertas continuam causando sensações inquietantes na carne.

Pausa para mais uma xícara de café...

...

...

Demorei mais do que o previsto. A garrafa estava vazia!

Mas enquanto a água fervia (junto com meus pensamentos), pude analisar alguns fatos.

Voltando ao tempo real:

Quem se atreve a arriscar suas economias no resultado de um campeonato de futebol, hoje em dia?

Ha menos que eu conhecesse alguém da cúpula organizadora (o que não é o caso), jamais apostaria minhas fichas em algo manipulado (desprovido de verdades), com resultados pré-estabelecidos.

Mas eu não estou falando de jogos, nem de economias.

O fator prevalecente neste momento refere-se a: vidas!

E eu não apostaria minha própria vida, felicidade, futuro e zelo pela verdade, em algo que se alicerça em mentiras.

Então... Vejo que todas essas sensações que meu corpo manifestou, é por conta da reorganização dos caminhos.

Que bom!

Posso sentir o peso esvaziando pela dorsal. Tomando rumo desconhecido.

E espero que desconhecido permaneça!

Enganam-se quem pensa ser prática a forma como estou analisando os fatos.

Pelo contrário!

Não é nada prático e é um tanto quanto doloroso. Pois a sensação de imbecilidade ainda ronda este recinto.

Mas, observando pelo lado de fora da situação, me ocorre uma máxima citada pelos sábios anônimos que encontramos nas estradas desta vida:

O que a mim não soma, falta não me fará!

A alma do poeta não implora a misericórdia dos leitores. Tão pouco defere despeito com as ciladas da vida.

Apenas faz disso, mais um bom motivo para escrever, e transcrever acontecimentos que o torna mais forte e sábio. Aprendendo a ver lucros, onde normalmente enxergaria em destaque os prejuízos.

O que é melhor; a verdade que dói ou a mentira que agrada?

Pensando em longo prazo, concluo que ambas causarão dor.

Uma vez que enxergo a mentira como uma bexiga cheia, submersa a água (podendo permanecer submersa por algum tempo, mas não para todo um sempre); eu fico com a verdade que dói.

E que doa o quanto antes. Para que não se perca tempo em redirecionar o foco.

Na lucidez que me toma,

Focando o que é melhor pra mim,

Pós um litro de café e uma carteira de cigarros, concluo que:

É melhor que seja assim.               









Por: Aline Patricia.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

A vida é assim

É com grande prazer que recebo aqui, e agora digo que também é p'arte minha ( um pedacinho de mim), meu amado amigo : Jeferson Tronfino. Depois de brincar-mos com caneta e papel nos bares da vida, crumpre-se a promessa!
Obrigada pelo carinho e amizade de sempre, meu lindo. Amei o texto!
Seja bem vindo. Porque a partir de agora, você também é P'arte minha! Bjo grande!

A Vida é assim!
As vezes choramos e as vezes sorrimos, amamos e nos decepcionamos, caímos e levantamos (ou somos levantados). A vida nem sempre é fácil, mas quem disse que ela tem que ser? Às vezes ela exige de nós, coisas que momentaneamente não conseguimos entender.
A Vida às vezes nos tira coisas importantes, nos confronta com situações difíceis e nos provoca, talvez para reagirmos.
Mas e ai? A vida é assim, ok! E nós como somos? Ou melhor, e você como é?
Eu decidi tomar uma postura de domínio sobre a vida, sou dono das minhas decisões, sou responsável pelas minhas atitudes.
A Vida não é fácil, mas eu a enfrento. Chorando ou sorrindo, amando ou me decepcionando, caindo e levantando (ou não), sou eu que levo a minha vida e não deixo que ela me leve (nada contra o Zeca Pagodinho).
Encaro esse dom de Deus, a VIDA, como um cristal precioso; frágil demais para ser manuseada de qualquer forma, mas também, lindo demais para ficar guardada e escondida.
A vida é para ser vivida, as experiências estão ai para serem experimentadas e cabe a nós mesmos a atitude de tomar a direção e o rumo de nossas vidas.
Choro, sofro, dou risada, canto danço, me divirto e fico triste, amo incondicionalmente mas também me desapego fácil. Mas acima de tudo eu VIVO e você também deveria viver!

                                                     
por: Jeferson Tronfino

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Dando Passos!

Dando passos...

“Dar passos” pode parecer uma citação comum.

Idiota, talvez...

Principalmente se parte de alguém que não é portador de nenhuma deficiência física.

Mas eu vou além das evidências.  

Quando se passa certo tempo olhando a vida por de traz de lentes escuras,

Quando é lançado ao vento, a escolha dos caminhos,

Quando simplesmente se vive, e nada, além disso, se faz,

Dar passos significa muitas coisas.

É a retomada do leme,

A redescoberta do “querer”,

O reencontro com o “sentir”,

É ser...

Estar...

Saber...

Sonhar...

Ir e vir.

É o encontro consigo mesmo,

Com as próprias vontades,

Metas...

Mentiras e verdades,

Que cada “eu”, tem direito a escolher.

Dar passos significa dar rumo à própria vida,

Dando vida a tudo aquilo que se sonha,

Almeja...

Deseja...

Proponha!

“Dar passos” vai muito além de o simples movimentar de pernas.

Dar passos é o conjunto de movimentos do corpo,

Da alma,

Da mente,

Do intelecto,

Dos sonhos e das realidades.

Todos juntos, em uma mesma freqüência.

“Dar passos” é lançar-se!

Desatando os nós,

Estreitando os laços,                                      

Dando rumo novo à vida,

Hoje me vejo assim...

Dando passos!

Por: Aline Patricia