quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Não caibo mais em mim


O problema é que não caibo mais em mim
Acostumei a me vestir de você...
A sonhar com você...
A viver por você...
E agora já não sei viver em mim.
Tudo o que eu pensava cabia perfeitamente em você.
Tudo o que eu sonhava, era com você.
Redimensionei minha vida para se encaixar na sua.
Mudei medidas...
Compactei o que era grande, ampliei o que era pequeno...
Troquei o perfume das rosas pelo teu cheiro.
E agora me sinto um forasteiro, tendo que voltar a viver em mim.
Desaprendi a te esquecer...
 Graduei-me em te lembrar...
Já não lembro onde foi que me perdi.
 Só sei que esta difícil me encontrar!
No peito vazio: ecoam os batimentos.
Na alma fria e solitária: só se encontra dores e lamentos,
Na ânsia de quem procura a si próprio e não consegue encontrar.
Deveria você ter guardado ao menos um pedacinho de mim. Para que quando o que nunca começou chegasse ao fim;  eu tivesse ao menos um impulso para me redimensionar.
Ouço poesias em verso e canção...
Logo me lembro das batidas do meu violão!
Na tentativa de te impressionar, penso em uma canção para “te tocar”.
Já que não estas aqui comigo...
Não vejo sentido em ver o encordoamento vibrar!
Nem lembro mais das músicas que eu gostava,
pois minhas cordas só vibravam em canções
para te agradar.
Das lembranças que trago hoje enfim...            
Só lamento uma coisa:

 _ Não mais caber em mim!



 por: Aline Patricia

5 comentários:

  1. Caramba, Aline... Pela primeira vez me deu uma sensação de vazio tão grande ao ler um texto seu... Mas não um vazio do tipo: "que texto mais sem sentido!". Um vazio do tipo tristonho. Daquele que dá um aperto no peito... Esse tipo de sensação de total entrega, quando a gente deixa de ter a gente e passa a pertencer a outrém. Nada bom...
    Mil bjinhus!!
    Liah.

    ResponderExcluir
  2. Ah! Mas deixo claro: "Nada bom" me refiro à entrega demasiada a outrém, viu? Ao seu texto reverencio, como sempre, com um BRAVO!!
    Suas escritas sempre mto lindas!
    Bjsss

    ResponderExcluir
  3. Éh... minha cara amiga! E qtas vezes nos sentimos assim? rsrsrs. Mtas, não é? E são essas experiencias q nos ensinam, amadurecendo uma "forma saudável de amar"!
    Só quem teve que se reinventar, renascer, reencontrar-se; pode testemunhar de fato que o q se sente realmente é um enorme "vazio".
    Ps: O texto estava guardado no fundo da gaveta ha tempos, mas me lembro com clareza das sensações q me fizeram escreve-lo.
    Mais uma vez, obrigada pelo carinho de sempre.
    É muito bom saber q sempre tem alguém lendo o q a gente escreve.
    Bj bj, minha linda. Saudações!

    ResponderExcluir
  4. Nossa!! adorei o texto! É bem triste mas é a mais pura verdade, todos (ou quase todos) passam por um momento assim...e adorei a forma que vc falou sobre isso.
    O texto ficou lindo mesmo...PARABÉNS!!
    Bjoo

    ResponderExcluir
  5. Max, seu lindoo! Q bom q vc tem passeado por aqui.
    Vejo q vc tbm é uma alma sensível. Acredito q todos nós, de alguma forma, experimentamos essa entrega demasiada. E o melhor de tudo é descobrir q podemos sempre nos reencontrar-mos em nós mesmos, n~so éh?!
    Bjo bjo, e obrigada por todo carinhoo!

    ResponderExcluir