terça-feira, 20 de setembro de 2011

EU ESTAVA EM PAZ QUANDO VOCÊ CHEGOU!

E agora um conto!
Inspirado na música: Relicário - Nando Reis,uma das minha preferidas, em coisas da vida ( histórias que se partilham nas mesas dos bares ), na existência e na esféra poética.


Eu a vi. Ela estava linda.
Simplesmente linda!
Sorria como há muito não conseguia notar.
Falava... Falava... Falava...
E eu mal podia escutar.
Olhava para ela como quem bebia de suas palavras, mas o único som que eu ouvia,
Eram as pulsadas violentas do meu miocárdio.
Bobo, olhando fiquei... Evitando até mesmo piscar para não perder nenhum instante sequer daquela imagem.
Cada movimento, cada detalhe, cada bater de cílios, eram minuciosamente observados.
E eu queria mais...
E mais...
E mais...
Queria tudo muito mais!
Queria não precisar falar, só para não perder nenhum detalhe.
Minhas mãos formigavam desejando tocá-la;
Meus braços pulsavam na ânsia de abraçá-la.
Mas precisava conter-me e esperar...
Esperar... Até que surgisse algum sinal; que por sinal, parecia tardar a vir.
Poderia descrever cada detalhe daquela noite.
Porém...  Cada detalhe que estivesse no máximo 05 cm daquela que meus olhos não paravam de observar.
Mil pensamentos rodeavam minha mente naqueles instantes.
E ela?
Ela continuava a falar... Mexer... Remexer!
Misturando ainda mais tudo o que se passava dentro de mim.
Horas e horas se passaram sem que eu pudesse perceber.
Inevitavelmente teríamos que nos despedir. E assim se fez.
Fiquei ali olhando.  Vendo sua imagem se afastar pouco a pouco, até se tornar pequena demais para ser vista.
Ali, onde segundos se tornavam eternos, eu não sei bem ao certo o que aconteceu.
O que antes era placidez, observação e no máximo ansiedade, embaraça-se em um misto de sonho e realidade.
Entre contos e encontros, na ilusão que me tomou;
Só posso dizer uma coisa:
_EU ESTAVA EM PAZ QUANDO VOCÊ CHEGOU!

por: Aline Patricia. 

paticipação especial: Liana Capucho. Salve, salve!

4 comentários:

  1. Minha resposta ao seu comentário no meu último post vem aqui, minha querida!
    Essa música tem cara de inverno também, já reparou? E as sensações que vc descreve em seus texto misturam essa coisa de calor e frio na espinha.
    Maravlhoso texto! Adorei!
    E mto obrigada pelos comentários em meu blog! ^^
    Bj bj da Liah.

    ResponderExcluir
  2. Éh... querida amiga. O que seria de nós sem as sensações? Sejamos todos nós, vítimas destas emoções.Que o calor na espinha seja sentido no inverno,e o frio na espinha, no verão! Que as flores da primevave nos inspire mais e mais, e que o outono nos permita o friozinho na barriga na espera pelo inverno.
    Como é bom ver-te sempre por aqui.
    Qto ao seu blog... é meu passeio favorito.Eu é que devo agradecer... SEMPRE! Bjo grande! Obrigada!

    ResponderExcluir
  3. que texto lindo!! sempre q posso viajo em P'artes minhas... na verdade, é onde me encontro... parece até que ando perdida..rs adoro seus textos.. só assim posso te ler.. =)

    ResponderExcluir
  4. Ai ai, minha sempre doce, Celine Guedes... Como é bom saber que vc tem passeado por entre as linhas das minhas escritas.
    Vc se encontra pq tem P'artes suas aqui, meu bem.
    Feliz d+ por vc estar aqui pertinho de mim.
    Bjs, xerus e obrigada por todo carinho de sempree!
    Sdd's gigantescas.

    ResponderExcluir