segunda-feira, 22 de agosto de 2011

TRANCADOS


Éh... Eu tranquei minha alma para não me entregar.
Eu tranquei o coração pra você não entrar.
Mas você roubou a chave.
Impetuosamente invadiu todo espaço.                                                      
Dissimuladamente me tirou de mim.
Tomou conta da respiração; apossou-se dos meus sonhos.
 Bebeste dos meus beijos...
Alimentou-se de todos os desejos que estavam armazenados em mim.
Era meu sustento para os dias ruins; e agora são seus.
Todos seus!
Abre e fecha a porta quando queres.
Entra e sai, quando bem entendes.
Tranca tudo quando não estas por perto.
Fecha-me para as verdades que não conheço.
Tranca para fora as mentiras que ao longe reconheço.
Como um fantasma sorrateiro entra... Sai... Faz e desfaz, abusando do poder de estar com a chave.
Quando esta por perto me transborda de carinho e aconchego.  
Abre portas e janelas...
E nesses instantes é que me sinto realmente livre.
Mas quando vai embora; usa da minha própria “ex-chave”; e me vejo mais uma vez assim... Trancada!
Já não mais por minha própria vontade. Mas sim, por vontade de quem a possui.
Faz o que quer de mim. Pois a mim não mais pertenço.
Sou de outro dono!
Controlas até meu sono. Que por sinal, se foi sem ao menos se despedir.
Têm a chave e meus anseios.
Mentiras e verdades, sonhos, coragem e medo.
Já me dei conta da situação.
Sei bem onde estou.
Indiscutivelmente... Em suas mãos!
O uso da chave é inquestionavelmente dispensável.
O espaço é grande o suficiente para acolher as partes.
Tudo aquilo que é livre, se torna refém por sua própria vontade.
E os sonhos divididos em duas partes tornam-se mais sonhos. 
Assim como os anseios e desejos.
A porta trancada não é empecilho para um ladrão oportuno.
Não temer o que carregas consigo, é permitir-se experimentar.
Pra que tanto medo de perder?
Só perdemos aquilo que de fato não possuímos.
Deixe a porta aberta. Coloque a chave em cima da mesa.
Que ela não pertença mais nem a mim, nem a você.
E que o que é vivo, permaneça livre.
E estando livres enfim, estejamos TRANCADOS.
Eu em você. E você em mim.

                         

                  por:    Aline Patricia

2 comentários:

  1. Minha querida amiga... Que texto!!! Acho que de todos os que li (até o momento, neh? Pq com certeza me surpreenderá cada dia mais!) neste eu me encontrei demais!! Como ele me provocou... Me identifiquei muito com ele, e me fez refletir muitas coisas...
    Com suas palavras, digo: ISSO É ESCREVER! É mexer com as pessoas, é fazê-las sentir, sonhar, experimentar, refletir...
    ADOROOOO!!!
    Mil beijos!! =**
    Liah.

    ResponderExcluir
  2. Liah... Minha querida Liah!
    Fico pensando que sentido teria escrever senão provocar sensações. E é exatamente o que me causam seus textos, e das demais figurinhas maravilhosas que dividem este cantinho conosco.
    Te provocar é e sempre sera um enorme prazer. Me sinto beneficamente vingada por todas as provocações causadas por seus magnificos textos em mim. Obrigada pelo carinho, amiga linda. Bjo grande. Adooroo

    ResponderExcluir