sábado, 18 de dezembro de 2010

Desenganos

De enganos em enganos
Seguem-se...
DESENGANOS!
Sugam-se,
só não percebem que é veneno.
Violentam-se,
sem saber que é a si próprio.
Apagam-se luzes,
sem pensar que será necessário passar pelo caminho.
A menina não brinca mais com as bonecas,
cresceu!
O jogo que se joga
é o jogo da vida.
Ignora-se "causa e efeito"
Dói em ti,
doerá em mim.
Será?
Só vendo mesmo para saber.
Olho por olho,
e mais um pouco ninguém mais irá ver.
Talvez seja melhor assim!
Já que o que se vê é violento demais e difícil de abstrair.
Dente por dente,
e logo esqueceremos o que é morder.
Que bom! 
Menos uma arma de ferir.
Fecham-se as janelas por causa do forte vento,
mas o calor do quarto é torturante.
Confuso, contraditório... 
difícil de entender!
Valorizo o que me toma,
mas se a pimenta localiza-se indevidamente em local inoportuno e alheio,
vê-se como refresco,
porque a dor só é dolorosa na pele e no nervo de quem sente .
Doçura é a colher de açúcar que se excede na xícara de café.
Valores são papéis impressos tipograficamente marcados,
que se guarda em carteiras.
Caráter é tudo aquilo que se pode comprar ou mandar fazer.
E o que fazer?
......
Nada!
Já que o amor se tornou tema de livro publicado séculos atrás,
toma-se doses cavalares de interesses. 
O gelo toma conta daquele velho "pulsador",
e o que era vermelho e vivo, 
torna-se pálido, sem cor.
As peças do tabuleiro se movem de acordo às conveniências,
e já não mais importa de que forma;
o importante agora é ganhar.
Serviram-me vinagre em taça de vinho fino.
Qual a real intenção?
Sei lá!
Abandonaram os velhos hábitos dos brinquedos,
a tendência agora é brincar com sentimentos.
Mas que graça há de haver?
Não se encontram respostas concretas,
só o que se sabe, é que é moda.
E se é moda, fica fácil acontecer.
Não sei por quanto tempo durará o oxigênio,
mas já que desci em ponto errado
lutarei enquanto houver vida
para respirar.
E respirando,
continuarei tentando entender.
E mesmo que não entenda,
continuarei tentando.
Tentando amar, mesmo que não consiga compreender.
Olhos atentos...
Sigo observando como quem vê tudo pelo lado de fora.
E em meio a enganos, penso ser um filme.
Na realidade que me toma,
da cegueira que me guia,
no pequeno gole de pensamentos insanos,
agora vejo:
Desenganos...


Aline Patricia